A Liturgia da Santa Igreja

carreno-de-miranda

1. O que é a Liturgia?

A palavra liturgia vem do grego "leit", de "povo", e "urgia", que significa "ação", "serviço" ou "obra". Sendo assim, a palavra "liturgia" significa "obra pública".

A Liturgia inclui o conjunto de todas as cerimônias oficiais da Santa Igreja: celebração dos 7 sacramentos, sacramentais (bênção da água, do sal…) e todos os demais ritos

Dentro da Igreja, a liturgia significa o serviço público oficial que ela mesmo realiza, com duas finalidades: a glorificação de Deus e a salvação das almas (SC 112).

O Catecismo da Igreja ensina que “pela liturgia, Cristo, nosso redentor e sumo sacerdote, continua na Igreja, com ela e por ela, a obra da nossa redenção." (Cat. 1069)

Isto significa que através da liturgia, Jesus continua a nos salvar; de modo especial em cada Missa, onde se atualiza a Sua santa Paixão, Morte, Ressureição e Ascenção ao Céu; nela “torna-se presente a nossa redenção”.

Afirma a Constituição do Concílio Vaticano II Sacrosantum Concilium:

“Com razão portanto, a liturgia é tida como o exercício do múnus sacerdotal de Jesus Cristo, no qual, mediante sinais sensíveis, é significada e, de modo peculiar a cada sinal, realizada a santificação do homem, e é exercido o culto público integral pelo Corpo Místico de Cristo, cabeça e membros. Disto se segue que toda a celebração litúrgica, como obra de Cristo sacerdote e de seu corpo que é a Igreja, é ação sagrada por excelência, cuja eficácia, no mesmo título e grau, não é igualada por nenhuma outra ação da Igreja”. (SC,7)

Isto basta para mostrar o quanto é importante a Liturgia para o católico. Somente a Igreja, nascida sob Pedro (o primeiro Papa) e os Apóstolos, tem esta riqueza incomensurável intacta, recebida de Cristo e dos Apóstolos. Entretanto, muitos católicos ainda não conhecem o rico sentido da Liturgia, que se expressa por sinais sagrados, com ritos adequados, termos próprios, símbolos ricos, objetos litúrgicos, cores significativas, imagens, etc.

A Santa Igreja crê que a revelação completa e definitiva de Deus ao homem que se dá em Jesus. "Cristo, o Filho de Deus feito homem, é a Palavra única, perfeita e insuperável do Pai. Nele o Pai disse tudo, e não haverá outra revelação senão esta." (Cat. 65)

A Santa Igreja continua a obra da Salvação. Por isso ela conserva e ensina a Verdade, e administra os 7 sacramentos. “Pela liturgia, Cristo, nosso redentor e sumo sacerdote, continua na sua Igreja, com ela e por ela, a obra de nossa redenção.” (Cat. 1069)

“Como Cristo foi enviado pelo Pai, assim também ele enviou os apóstolos, cheios do Espírito Santo, não só porque, pregando o Evangelho a todos os homens anunciassem que o Filho de Deus com sua morte e ressurreição nos livros do poder de satanás e da morte e nos transferiu para o Reino do Pai, mas também para que levassem a efeito, por meio do sacrifício e dos sacramentos, sobre os quais gira toda a vida litúrgica, a obra de salvação que anunciavam.” (SC 6)

No Antigo Testamento: A Lei e os profetas, os Salmos e os demais livros sapiensais, tiveram grande importância nestas celebrações, e ainda tem hoje. O próprio Jesus cantou Salmos na última Ceia. Veja algumas citações que se referem a liturgia:

“Moises aspergiu com sangue a Tenda e todos os utensílios do culto (liturgia)” (Hb,9,21)

“Completados os dias do seu ministério (liturgia), Zacarias voltou para a casa” (Lc 1,23)

“Celebravam eles (os primeiros discípulos) a liturgia em honra do Senhor” (At 13.2)

A Liturgia Católica, instituida por Jesus, visa celebrar (=tornar celebre), dar importância, honrar, exaltar, em comunidade, a Santíssima Trindade de modo especial e celebrar os “santos mistérios”

“Na Liturgia Deus fala a seu povo. Cristo ainda anuncia o Evangelho. E o povo responde a Deus, ora com cânticos, ora com orações. (SC,13)

Pela Liturgia a Igreja celebra o mistério de seu Senhor “até que Ele venha e até que “Deus seja tudo em todos” (1 Cor 11,26;15,28)

Assim para celebrar a Liturgia é preciso ter uma profunda noção do que é o Cristianismo; o conhecimento da história da salvação, obra de Cristo e da missão da Igreja. Sem isto a Liturgia não pode ser bem compreendida e amada, e pode se transformar em ritos vazios.

Podemos dizer que o último tempo da história da salvação – o tempo de Cristo e da Igreja – é o tempo da Liturgia, uma vez que ela torna presente a obra redentora de Cristo pela celebração dos Sacramentos. Assim, somos também nós participantes da historia da salvação.

A Liturgia é a própria historia da salvação em exercício, já que nela se celebra (torna presente) tudo o que Deus realizou ao longo dos séculos para salvar os homens.

Jesus nos revelou plenamente o Pai, e ensinou-nos a comunicar com Ele. Ele é a ponte entre nós e o Pai. Ele é o Caminho, o Sacerdote único que apresenta a Deus as nossas preces (cf. Hb 5,7) é por isso que nas celebrações litúrgicas fazemos todas as ofertas a Deus “ por Cristo, com Cristo e em Cristo”; tudo em seu Nome.

A Liturgia participa do grande desejo de Jesus: “ Desejei ardentemente comer esta Páscoa convosco (…) até que ela se cumpra no Reino de Deus”. (Lc 22,15-16)

Cristo está presente em sua Igreja, e de modo especial nas ações litúrgicas, para continuar a sua obra de salvação de todos os homens, de todos os tempos e de todos os lugares.

Ele está presente no sacrifício da Missa de várias formas: na pessoa do sacerdote, pois “aquele que agora oferece pelo ministério dos sacerdotes é o mesmo que outrora se ofereceu na cruz”, e de modo especial, sob as espécies eucarísticas. Ele está presente nos Sacramentos; assim, quando alguém batiza, é Cristo mesmo que batiza; Ele está presente por sua Palavra, pois Ele mesmo quem fala quando se lêem as Sagradas Escrituras na Igreja; e Ele está presente quando a Igreja reza: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estarei no meio deles” (Mt 18,20)

Você sabe quais são os dias santos na Liturgia?

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica os dias santos, onde todo católico é obrigado a participar da Santa Missa, são:

Catecismo da Igreja Católica §2177 – “Devem ser guardados [além dos domingos] o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania, da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, de Santa Maria, Mãe de Deus, de sua Imaculada conceição e Assunção, de São José, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, e por fim, de Todos os Santos” (CDC, cân. 1246,1; n. 2043).

Cores Liturgicas

Quando vamos à igreja, notamos que o altar, o tabernáculo, o ambão, e até mesmo a estola e a casula usadas pelo sacerdote, combinam todos com uma mesma cor. Percebemos também que, a cada semana que passa, essa cor pode permanecer a mesma ou variar. Se acontecer de no mesmo dia irmos a duas igrejas diferentes, comprovaremos que ambas usam a mesma cor, com exceção, é claro, da igreja que celebra o seu padroeiro. Na verdade, a cor usada um certo dia é válida para a Igreja em todo o mundo, que obedece a um mesmo calendário litúrgico. Conforme a missa do dia, indicada pelo calendário, fica estabelecida uma determinada cor. Desta forma, concluímos que as diferentes cores possuem algum significado para a Igreja: elas visam manifestar externamente o caráter dos Mistérios celebrados e também a consciência de uma vida cristã que progride com o desenrolar do Ano Litúrgico. Manifesta também, de maneira admirável, a unidade da Igreja. No início havia uma certa preferência pelo branco. Não existiam ainda as chamadas cores litúrgicas. Estas só foram fixadas em Roma no século XII. Em pouco tempo, devido ao seu alto valor teológico e explicativo, os cristãos do mundo inteiro aderiram a esse costume, que tomou assim, caráter universal. As cores litúrgicas são seis, como veremos a seguir.

Branco – Usado na Páscoa, no Natal, nas Festas do Senhor, nas Festas de Nossa Senhora e dos Santos, exceto dos mártires. Simboliza alegria, ressurreição, vitória e pureza.Sempre é usado em missas festivas.

Vermelho – Lembra o fogo do Espírito Santo. Por isso é a cor de Pentecostes. Lembra também o sangue. É a cor dos mártires e da sexta-feira da Paixão e do Domingo de Ramos. Usado nas missas de crisma, em pentecostes e martirios.

Verde – Se usa nos domingos e dias da semana do Tempo Comum. Está ligado ao crescimento, à esperança.

Roxo – Usado no Advento e na Quaresma. É símbolo da penitência e da serenidade. Também pode ser usado nas missas dos defuntos e na celebração da penitência.

Róseo – O rosa pode ser usado no 3º domingo do Advento (Gaudete) e 4º domingo da Quaresma (Laetare). Simboliza uma breve pausa, um certo alívio no rigor da penitência da Quaresma e na preparação do Advento.

Preto – É sinal de tristeza e luto. Hoje está praticamente em desuso na liturgia.

Azul – Usa-se ou não na Solenidade da Imaculada Conceição; representa o manto azul de Nossa Senhora. Ainda não é usado por muitos padres!

Objetos Litúrgicos

Altar: Mesa onde se realiza a ceia Eucarística; ela representa o próprio Jesus na Liturgia.

Alva: túnica longa de cor branca, usada pelos ministros nas celebrações litúrgicas.

Água: Deve se natural na liturgia, o sacerdote usa para lavar as mãos, e coloca uma gota (d´agua) no cálice no momento do ofertório. Simboliza a humanidade unida a Cristo.

Cálice: Taça onde se coloca o vinho que vai ser consagrado.

Casula: espécie de manto que se veste sobre a alva e a estola.

Estola: é uma faixa colocada no pescoço e separada da túnica, significa o poder a autoridade do sacerdote.

Patena: Prato onde é colocada a Hóstia Grande que será consagrada e apresentada aos fiéis. Acompanha o estilo do cálice, pois é complemento.

Corporal: Pano quadrangular de linho com uma cruz no centro; sobre ele é colocado o cálice, a patena e a âmbula para a consagração.

Pala: Cobertura quadrangular para o cálice.

Galhetas: Recipientes onde se coloca a água e o vinho para serem usados na Celebração Eucarística.

Crucifixo: Fica sobre o altar ou acima dele, lembra a Ceia do Senhor é inseparável do seu Sacrifício Redentor.

Lecionários: Livros que contém as leituras da Missa. Lecionário ferial (leituras da semana); lecionário santoral (leitura dos santos), lecionário dominical (leituras do Domingo).

Manustérgio: Toalha usada para purificar as mãos antes, durante e depois do ato litúrgico.

Missal: Livro que contém o ritual da missa, menos as leituras.

Sanguíneo: Pequeno pano utilizado para o celebrante enxugar a boca, os dedos e o interior do cálice, após a consagração.

Ostensório ou Custódia: Objeto utilizado para expor o Santíssimo, ou para levá-lo em procissão.

Teca: Pequeno recipiente onde se leva a comunhão para pessoas impossibilitadas de ir a missa.

Ambão: Estante onde é proclamada a palavra de Deus.

Incenso: Resina de aroma suave. Produz uma fumaça que sobe aos céus, simbolizando as nossas preces e orações à Deus.

Naveta: Objeto utilizado para se colocar o incenso, antes de queimá-lo no turíbulo.

Turíbulo: Recipiente de metal usado para queimar o incenso.

Alfaias: Designam todos os objetos utilizados no culto, como por exemplo, os paramentos litúrgicos.

Aliança: Anel utilizado pelos noivos para significar seu compromisso de amor selado no matrimônio.

Andor: Suporte de madeira, enfeitado com flores. Utilizados para levar os santos nas procissões.

Aspersório: Utilizado para aspergir o povo com água-benta. Também conhecido pelos nomes de aspergil ou asperges.

Bacia: Usada como jarro para as purificações litúrgicas.

Báculo: Bastão utilizado pelos bispos. Significa que ele representa Cristo Pastor.

Batistério: O mesmo que pia batismal. É onde acontecem os batismos.

Campainha: Sininhos tocados pelo acólito no momento da consagração.

Castiçais: Suportes para as velas.

Círio Pascal: Uma vela grande onde se pode ler ALFA e ÔMEGA (Cristo: começo e fim) e o ano em curso. Tem grãos de incenso que representam as cinco chagas de Cristo. Usado na Vigília Pascal, durante o Tempo Pascal, e durante o ano nos batismos. Simboliza o Cristo, luz do mundo.

Âmbula: Recipiente onde são colocadas as hóstias a serem consagradas.

Credência: Mesinha ao lado do altar, utilizada para colocar os objetos do culto.

Genuflexório: Faz parte dos bancos da Igreja. Sua única finalidade é ajudar o povo na hora de ajoelhar-se.

Hóstia: Pão Eucarístico. A palavra significa "vítima que será sacrificada".

Hóstia Grande: É utilizada pelo celebrante. É maior apenas por uma questão de prática. Para que todos possam vê-la na hora da elevação, após a consagração.

Imagens: Existem nas Igrejas desde os primeiros séculos. Sua única finalidade litúrgica é ajudar a mergulhar nos mistérios da vida de Cristo. O mesmo se pode dizer com relação às pinturas.

Incenso: resina aromática extraída de várias plantas, para se colocar sobre brasas nas celebrações

Luneta: Objeto em forma de meia-lua utilizado para fixar a hóstia grande dentro do ostensório.

Ostensório: objeto que serve para expor a hóstia consagrada à adoração dos fiéis e para dar a benção eucarística.

Sacrário: Caixa onde é guardada a Eucaristia após a celebração. Também é conhecida como TABERNÁCULO.

Reserva Eucarística: Eucaristia guardada no Sacrário.

Véu Do Cálice: Pano utilizado para cobrir o cálice. Véu Do Cibório: Capinha de seda branca que cobre a âmbula. É sinal de respeito para com a Eucaristia.

Alguns termos e sinais litúrgicos

A celebração litúrgica é realizada também com sinais e símbolos. Diz o Catecismo que “segundo a pedagogia divina da salvação, o significado dos sinais e dos símbolos deita raízes na obra da criação e na cultura humana, adquire precisão nos eventos da antiga aliança e se revela plenamente na pessoa e na obra de Cristo” (CIC 1145).

Deus fala ao homem por meio da criação visível. A luz e a noite, o vento e o fogo, a água e a terra, a arvore e os frutos falam de Deus, e simbolizam também a grandeza e a proximidade Dele,

Também a Liturgia da Igreja emprega e santifica os elementos da criação e da cultura humana dando-lhes a dignidade de sinais da graça, da nova criação em Jesus Cristo (cf. CIC 1148)

A revelação de Deus acontece de duas maneiras: uma natural (“os céus cantam a Glória de Deus…” Sl 18,2; Rm 1,19; Sb 13,1-9) e de maneira sobrenatural (Deus falou por meio dos Patriarcas e dos Profetas, e falou por meio de Jesus; Hb 1,1; Ef 1,9s). Nesta revelação os sinais sagrados são usados para a comunicação de Deus conosco, e tem um poder eficiente; efetuam o que significam.

Na Antiga Aliança encontramos muitos sinais litúrgicos; a circuncisão, a unção com óleo de reis e sacerdotes, a imposição das mãos, os sacrifícios, e a Páscoa. Nestes sinais a Igreja vê uma prefiguração para os sinais da Nova Aliança. Para dar a conhecer o Reino de Deus Jesus usou muitos sinais e gestos simbólicos.

Desde Pentecostes, é por meio dos sinais sacramentais de sua Igreja que o Espírito Santo realiza a santificação. Os Sacramentos da Igreja não abolem, antes purificam e integram toda a riqueza dos sinais e dos símbolos do cosmos e da vida social. Além disso, realizam os tipos e as figuras da Antiga Aliança, significam e realizam a salvação operada por Cristo, e prefiguram e antecipam a glória do Céu. (CIC 1152)

Ablução – Ato de lavar-se, no todo ou em parte do corpo; na liturgia tem sentido penitencial.

Absolvição – de absolver, o mesmo que desatar, libertar.

Abstinência – Proibição de comer carne nos dias previstos pela Igreja (Sexta-feira Santa e quarta-feira de cinzas).

Aclamação – Expressão coletiva de aplausos, participação, assentimento (cf, SC 30):

“Para promover uma participação ativa, trate-se de incentivar as aclamações do povo, as respostas, as salmodias, as antífonas e os cântico, bem como as ações e os gestos e o porte do corpo. Ao seu tempo seja também guardado o sagrado silêncio.”

Acólito – leigo que auxilia as funções litúrgicas (“coroinhas”)

Advento – tempo litúrgico de preparação para o Natal, que consiste de 4 semanas, no ínicio do ano litúrgico.

Aleluia – (palavra hebraica) louvai o Senhor. É uma aclamação de alegria que não se usa no tempo da quaresma. Emprega-se na Missa, principalmente na aclamação do Evangelho, no oficio muitas vezes; abundantemente no tempo Pascal.

Alfaias litúrgicas – são todos os objetos que servem de certo modo ao exercício da liturgia.

Amém – palavra hebraica que alguns traduzem por assim seja, assim aconteça. Esta palavra não se traduz. O Apocalipse (3,14) chama Jesus de o Amém, e a segunda carta aos Corintios (1,20) afirma que é em Jesus que dizemos Amém. Santo Agostinho diz que o nosso amém é a nossa assinatura, o nosso compromisso.

Anáfora (trazer sobre, oferecer) – momento central da Eucaristia, do prefácio à doxologia. Oração Eucarística.

Ano Litúrgico – período de doze meses em que a Igreja celebra os mistérios de Cristo. Inicia com o primeiro Domingo do advento e termina com o último Domingo do tempo comum (festa de Cristo Rei). A festa central é a Páscoa, precedida pela quaresma e seguida do tempo pascal.

Antífona – texto curto antes e depois de cada salmo do oficio, que exprime sua idéia principal.

Antifonia – (=voz contra voz), execução de um canto mediante dois coros.

Cânon da Missa – oração eucarística da Missa.

Catecumenato – tempo de iniciação a vida Cristã e preparação para o batismo.

Cerimoniário – mestre de cerimônias – aquele que é encarregado de preparar com cuidado as celebrações.

Concelebração – celebração simultânea de mais de um sacerdote à mesma missa.

Doxologia – fórmula de louvor que geralmente se usa em honra da Santíssima Trindade. Na liturgia recebem o nome de doxologia o “ Gloria ao Pai” (…), o “Gloria a Deus nas alturas”, e o “por Cristo, com Cristo (…)”, no final da oração eucarística.

Epiclese – oração da Missa com a qual se invoca a descida do Espírito Santo para que ele, antes da consagração, santifique as oferendas, e após a consagração, santifique a assembléia dos fiéis.

Epifania – aparição ou manifestação de Deus. Festa dos reis magos.

Epístola – na antiguidade, comunicação escrita de qualquer tipo. O Novo Testamento contém 21 epístolas ou cartas. As epístolas normalmente tratam de temas gerais e são dirigidas não a uma pessoa em particular, mas ao público em geral. Na celebração eucarística dominical, a epístola corresponde à Segunda Leitura.

Exéquias – ritos em favor dos fieis falecidos.

Fração do Pão – ato pelo qual o sacerdote parte o pão antes da comunhão. Este termo também foi usado na historia para designar a celebração eucarística.

Genuflexão – ato de dobrar o joelho em sinal de adoração.

Hosana – “Salva-nos agora!”, é também aclamação, saudação, louvor.

Hóstia – vitima oferecida em sacrifício. Pão eucarístico após a consagração feita por um sacerdote legitimo.

Incenso – fumaça perfumada originada da queima de produtos aromáticos que simboliza louvor e adoração a Deus.

Kyrie Eleison – expressão grega que significa Senhor, piedade. É uma invocação antiga mediante a qual os fieis imploram a misericórdia do Senhor.

Lavabo – ato de lavar as mãos. Na Missa o lavado se da após a apresentação das ofertas.

Memento – parte da oração eucarística onde se recordam os vivos e falecidos.

Memória – comemoração litúrgica de um santo.

Mirra – resina perfumada que os reis magos ofereceram ao menino Jesus. Usada na época para preparar o sepultamento , indica a paixão e morte que Jesus sofreria.

Mitra – Assemelha-se a um chapéu em forma de capacete, com duas pontas para o alto. O bispo usa nas celebrações solenes.

Nave – parte central do templo.

Oficio Divino – Liturgia das Horas

Óleos Santos – os três óleos que o bispo benze na Missa do Crisma, na quinta-feira santa: o crisma, o óleo dos catecúmenos, óleo dos enfermos.

Ordo – (ordem), equivale a rito (Ordo missae – rito da missa)

Palma – (ramos) é sinal de prosperidade (Sl 91,12) e de vitória (Ap 7,9)

Pantokrátor – que tudo contém, oniponte.

Paraliturgia – celebração da Palavra de Deus.

Pão Ázimo – sem fermento, usado na confecção de hóstias. Ázimo era o pão utilizado na páscoa dos judeus. Jesus o transformou no seu próprio corpo na Eucaristia; por isso é assim utilizado na Hóstia Sagrada.

Ritual – Livro que contem as fórmulas e os ritos que o sacerdote e a assembléia devem seguir para administrar os sacramentos.

Rubricas – (de ruber-vermelho), diretrizes rituais e cerimoniais indispensáveis para o correto desenvolvimento das ações litúrgicas.

Sacramentais – são sinais sagrados e ações litúrgicas não instituídas por Cristo, mas introduzidas pela Igreja, para proveito espiritual dos fieis.

Solenidade – o grau mais alto de festa litúrgica. Por exemplo: Tríduo Pascal, Natal do Senhor, Epifania, Ascensão Anunciação do Senhor (25/3), Maria Santíssima – Mãe de Deus, Pentecostes, São José esposo de Maria.

Festas – Transfiguração do Senhor, Apresentação do Senhor, (2/2) Exaltação da Santa Cruz

Sufrágio – prece ou obra de caridade oferecida pelas almas dos fieis defuntos.(LG 50)

Transubstanciação – transformação da substancia do pão no corpo de Cristo, e do vinho no Seu sangue, mediante a consagração das espécies feitas pelo sacerdote legitimo.

Triságion – (três vezes santo) A tríplice aclamação “Deus santo, santo e forte, santo e imortal, tende piedade de nós”.

Turiferário – pessoa que leva o turíbulo.

Urbi et Orbi – para a cidade e para o mundo.

Viático – Sacramento da eucaristia ministrado aos doentes acamados.

As posturas do nosso corpo são significativas:

Ficar em pé – significa a posição de Cristo ressuscitado. Simboliza prontidão para caminhar com Deus e com os irmãos. É também símbolo da dignidade humana; e sinal de respeito e atenção para com os outros.

Sentados – é a atitude de quem ensina e também de quem ouve, medita e fala com Deus. Jesus se assentava e mandava os discípulos se assentarem também (cf. Mt 5,1-2; Lc 10,39); por isso, durante as celebrações os ouvintes sentam para ouvir as leituras, exceto no Evangelho, onde a posição de pé significa a prontidão em seguir os ensinamentos de Jesus.

Ajoelhados – significa principalmente humildade e reconhecimento da própria miséria e limitações. Expressa profunda adoração a Deus.

Também o espaço celebrativo, onde se desenrola a liturgia, tem grande importância; a sua ornamentação, as imagens, as pinturas, o cuidado com os objetos litúrgicos, as vestes, a disposição das pessoas, o cuidado com o altar, tudo repercute na celebração dos mistérios de nossa fé. Tudo tem sentido próprio na Liturgia; por exemplo, as vestes informam a função de cada ministro (paramentos); também a roupa dos fieis deve ser decente e adequada à celebração. Não se vai a Missa como se vai a um campo de futebol, ou à praia, ou a um passeio no campo.

Alguns símbolos litúrgicos são muito usados:

ALFA E ÔMEGA – Primeira e última letra do alfabeto grego. No Cristianismo aplicam-se a Cristo, princípio e fim de todas as coisas.

TRIÂNGULO – Com seus três ângulos iguais (equilátero), o triângulo simboliza a Santíssima Trindade. É um símbolo não muito conhecido pelo nosso povo.

INRI – São as iniciais das palavras latinas Iesus Nazarenus Rex Iudaerum, que querem dizer: Jesus Nazareno Rei dos Judeus, mandadas colocar por Pilatos na crucifixão de Jesus (Cf. Jo 19,19).

XP – Estas letras, do alfabeto grego, correspondem em português a C e R. Unidas, formam as iniciais da palavra CRISTÓS (Cristo). Esta significação simbólica é, porém, ignorada por muitos.

IHS – Iniciais das palavras latinas Iesus Hominum Salvador (Jesus Salvador dos Homens). Adaptaram em portugues para Jesus Hóstia Sagrada.

Peixe – símbolo de Cristo , usado no inicio do Cristianismo. ICTYS (Iesus Christos Theos Yos Soter); Jesus Cristo Filho de Deus Salvador.

Pelicano – A ave é o Pelicano; ele é um símbolo da Eucaristia e de Cristo que se imola pela humanidade. Quando o pelicano não tem comida para os filhos, então, ele pica o próprio peito até sangrar para dar o seu sangue para alimentar os filhotes.

Píxide – Vaso que contém as hóstias consagradas.

Pluvial – capa dura usada pelo sacerdote na benção do Santíssimo, nas procissões eucarísticas.

Sanguíneo – paninho branco que o celebrante utiliza para enxugar o interior do cálice.

Túnica – como oficiante do Culto Divino, aquele que fica à frente, o sacerdote coloca vestes próprias que o distinguem das outras pessoas da celebração.

Velas – as velas tem valor simbólico. Significam as realidades mais profundas, a Luz da Fé que nos cristãos recebemos no Batismo, lembrando que Cristo é a luz do mundo.

(Fonte: Dicionário de Liturgia – Di Sartore e A.Z. Triarca – Ed. Paulinas – 1992,SP)

Para entender e celebrar a Liturgia, Prof. Felipe Aquino,Ed. Cléofas, Lorena- SP

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s